Onde Ir

IMG-BLOG
1/julho/2019

Na Costa do Conde turista encontra belas praias e cemitério de navios

Postado por Imprensa | 1/julho/2019 | Onde Ir

Distantes pouco mais de 30 km da capital paraibana, as praias do município do Conde, litoral sul, têm chamado a atenção dos turistas pela beleza e o colorido de suas falésias. A mais famosa é Tambaba,  onde funciona o primeiro campo de naturismo oficial do Nordeste e o segundo do Brasil. Com uma extensão de 1,7 km de pura beleza selvagem, Tambaba é protegida por suas falésias altas e íngremes, ora cobertas por uma mata densa, ora desnudas, enaltecendo o colorido dos terrenos de cor avermelhada ou branca.

O Conde ainda tem o privilégio de ter em seu litoral a praia de Coqueirinho, que, como diz o nome, possui muitos coqueiros. A praia tem forma arredondada com várias falésias. Em um dos seus trechos tem águas claras, ondas fracas e arrecifes. Em outro ponto, possui ondas fortes em mar aberto, que formam grutas naturais nas rochas. Coqueirinho é considerada como sendo uma das praias mais belas do litoral paraibano.

Se os turistas encontram belezas inesquecíveis no litoral paraibano, há ainda roteiros que intrigam a imaginação de todos. No litoral paraibano está registrado um ‘cemitério’ de navios. Isso mesmo. Mergulhadores especializados e documentos da Marinha Brasileira têm registros, a partir do Século XVI, que apontam sinistros que incluem um rol de brigues ingleses, escunas e caravelas portuguesas e espanholas, navios americanos e de outras nacionalidades, que adernaram para sempre nas praias tabajaras.

Cemitério no mar – Na praia de Jacumã há registros de um desses naufrágios. Em profundidades que variam de 10 a 45 metros, estão afundados a escuna Jessé, de bandeira portuguesa (1574); as embarcações francesas Pierre (1582), Jumeau (1708), Chargeur D’ Flote (1712), o Piegge e o Marie II (1722), além dos navios americanos Shorting Star (1856) e Transit (1871). Em 1866 naufragou alí o navio inglês Queen Of The Forthe. Em outras praias próximas, existem cascos que jazem sob a água há mais de 100 anos.

 

0Shares


Onde ir?
O que fazer?
Onde Ficar?