Onde Ir

IMG-BLOG
8/outubro/2019

Cidades do Congo e Monteiro oferecem projeto de Ecoturismo

Postado por Imprensa | 8/outubro/2019 | Onde Ir

As cidades do Congo e Monteiro idealizaram e implementaram, desde 2011, a Rota Cariri Cultural – “Entre pedras e veredas” . O projeto vem atraindo turistas de todo o Brasil que buscam conhecer de perto a Caatinga, os lajedos, a gastronomia e as origens do homem ‘caririzeiro’. Um dos idealizadores do projeto é o empresário Allison Pereira, um dos fundadores da Cooparaiba, também guia e proprietário da pousada Paraíso da Serra. O meio de hospedagem é o ponto de partida para todos os três roteiros oferecidos aos turistas. Allison Pereira explica que  os roteiros têm em comum as trilhas por entre a Caatinga, as visitas a comunidades rurais que mantêm intactos costumes seculares como a música e dança, a cultura, a gastronomia e a agropecuária.

O primeiro roteiro conhecido é o da Serra da Engabelada. “Tivemos a preocupação em sinalizar todas as trilhas. O acesso é feito por meio de transporte adaptado para região. A proposta é oferecer todo conforto ao turista”, explica o guia que faz questão de contar quem foram os primeiros habitantes da região do Cariri paraibano. “Essas terras eram povoadas pelos índios Cariris e os Xukurus. As duas tribos eram rivais. Uma apoiava os portugueses (Cariris) e a outra os holandeses (Xukurus). Teve uma guerra e os xukurus foram para as terras que ficam em Pernambuco”, detalhou. Enquanto a comitiva segue o roteiro, a Serra da Engabelada parece acompanhar de longe os turistas.

Vista da Serra da Engabelada

“O nome da serra tem origem indígena. Quer dizer que em qualquer ângulo que você mirá-la, vai vê-la numa posição diferente. Por isso, engabelada, que engana. Os índios cariris deixaram muitos rastros por aqui”, garante. Um desses registros está impresso na ‘Pedra do Letreiro”. São inscrições rupestres, rudimentares. A imagem que mais se destaca é um sol estilizado. “Essas pinturas são estudadas desde o século dezoito por religiosos franceses e nossa maior luta é mantê-las intactas e disponíveis para os visitantes”, explicou o guia.

Empresário Allison Pereira, de chapéu de couro
Inscrições rupestres existentes no local

Ossos, Coco de Roda e hospitalidade – Essa etapa do primeiro roteiro termina na hora do almoço. Mas, dá tempo de conhecer a Comunidade do Algodão. Nesse pequeno povoado as mulheres apresentam um Coco de Roda que vem desde o período dos Quilombolas. Na hora do almoço, Allison apresenta a Fazenda São Joãozinho, que na realidade é um ponto de Apoio, caso os turistas optem em pernoitar no local. Na sequência do roteiro o guia apresenta a Pedra do Caboclo. Na verdade é uma sobreposição de rochas enormes que formam uma pequena caverna. No local é possível encontrar pedaços de ossos. Segundo Allison Pereira o local é um antigo cemitério indígena.

Monteiro, Pedras e Zabé da Loca – Os dois outros roteiros idealizados pela Cooparaíso estão na região da cidade de Monteiro.  Novamente, o ecoturista vai conhecer trilhas únicas, conversar e ver de perto personagens contadores de histórias da região, além de degustar os pratos típicos do Cariri. Esses são os principais ingredientes da Rota Cariri Cultural .

Na Comunidade do Assentamento Santa Catarina o destaque é a Pedra da Lua. É uma pedra enorme em forma de concha, que também possui inscrições rupestres. O que chama mesmo a atenção dos visitantes são as perfurações ovais, perfeitas. “ É um enigma”, define Allison. Saindo da comunidade, o roteiro prevê uma visita ao Memorial de Zabé da Loca. O complexo inclui um restaurante, o memorial que guarda pertences pessoais de Zabé e uma visita ao local onde ela viveu por várias décadas com os filhos pequenos. O local está preservado e chama a atenção dos visitantes. As visitações no Assentamento prevêem uma caminhada de 20 minutos até a Pedra dos Índios. Mesmo com a subida bastante íngreme, vale o sacrifício. O visual é único! Dá para ver um por do sol inesquecível e místico.

Pedra da Lua

Pedra do Peru – De acordo com os guias do Rota Cariri Cultural, a pedra fica localizada a 8 km da cidade de Monteiro e o local é conhecido pelos praticantes de rapel, escalada e trilhas ecológicas. O local vem recebendo turistas interessados em praticar esportes e aqueles que buscam o contato intenso com a natureza. Allison Pereira informou que a Rota Cariri Cultural já possui um perfil no Facebook (Face/RotaCaririCultural) e que o site (ww.rotacariricultural.com.br) em breve vai estar à disposição dos turistas .

 

0Shares


Onde ir?
O que fazer?
Onde Ficar?